Dicas de Tipografia – Parte 1

Que saudade dos tempos de colégio! Tudo era tão simples… Ou melhor, quase tudo. Essas réguas de letras deixavam os trabalhos nas cartolinas ou nas folhas de papel almaço mais bonitos mas também deixavam as mãos todas marcadas de canetinha. E demorava… trabalho árduo pro resultado final ser meia-boca, inevitavelmente torto e com cheiro esquisito. Hoje em dia é só escrever, escolher a fonte e imprimir. Por isso o texto de hoje é sobre Tipografia, isto é, a arte e técnica de compor um texto a fim de tornar a linguagem visível.

A função tradicional da tipografia é criar textos de fácil leitura, coerentes e visualmente agradáveis, sem que o leitor tenha que se preocupar em decifrar as letras. Porém, essa funcionalidade tipográfica é relativa. Devido à grande quantidade de informação visual, a apresentação do texto em formas não convencionais é um artifício muito usado para destacar o conteúdo e estimular a curiosidade do leitor.

São basicamente 2 tipos de funções:

– Tipografia Para Texto: Concebidas para serem legíveis e de fácil leitura através de uma variedade de tamanhos.

– Tipografia Para Exposição: Projetadas para chamarem a atenção. Podem ser mais elaboradas, expressivas, com estilos variados e com foco no design.

Segue abaixo algumas dicas de Tipografia para Texto:

Layout

Deixe espaços em branco e use imagens como complemento. As imagens ajudam a criar um fluxo através do texto além de dar ao leitor um lugar para descansar.

Alinhamento

O texto pode ser centralizado, justificado, alinhado à esquerda ou à direita. Justificado à esquerda é geralmente melhor para blocos longos de textos impressos.

Parágrafos

Deixar uma linha de espaço entre os parágrafos ajuda a leitura. Ao usar ornamentos nos parágrafos opte pelo mesmo símbolo a fim de criar unidade no texto.

Entrelinhas

É bom deixar pelo menos 25% a 30% maior do que o tamanho da fonte. 50% maior deixa o texto bem mais legível. Se optar por deixar pouco espaço entre as linhas certifique-se de que os ascendentes (partes de cima das letras, como o t, f, d, etc) e descendentes (partes de baixo da letras, como o p, q, g) não se sobreponham.

Opções de Letras

Caixa Alta (letras maiúsculas), Caixa baixa (minúsculas) e Versaletes (pequenas maiúsculas ou small caps). Minúsculas são mais fáceis de ler em blocos maiores de texto. Maiúsculas podem funcionar bem em blocos curtos de texto e para dar destaque.

Títulos

Devem ser maiores que o resto do texto para dar destaque e estabelecer hierarquia visual.

Cor

Quanto maior o contraste entre o texto e fundo, mais legível o texto será.

Estilo da fonte

Itálico e negrito são cansativos em blocos longos de texto. Utilize em pequenas doses.

Fontes

Escolha fontes legíveis e que sejam coerentes com o assunto do texto. Por exemplo, usar Comic Sans (que é uma fonte considerada divertida) em uma advertência pode tirar o tom de seriedade da informação a ser transmitida.

As fontes são dividas em:

– Serifas/Serif: Possuem pequenos traços no fim das hastes das letra e são indicadas para livros e textos impressos.

– Sem Serifas/Sans-serif: Não possuem os traços nas extremidade e são indicadas para web já que são melhores para serem lidas em tamanhos menores.

– Cursivas: Imitam as letras escritas à mão.

– Dingbats: Símbolos e ornamentos representando as letras.

A regra de ouro é usar 2 fontes (3 no máximo). Experiemnte contrastar uma serif e sans-serif para destacar partes do texto.

 

No próximo post, dicas sobre Tipografia Para Exposição.

Boa semana para todos!

 

Anúncios

O verão acabou, mas a hidratação deve continuar !!

       Ouvimos falar durante todo o verão sobre a importância de beber água e manter o organismo hidratado, mas e o restante do ano?? Não é importante??? Com certeza sim, mas como não sentimos falta da água nos dias mais frios, achamos que o corpo não necessita dela, e é aí que nos enganamos.

  •  Nosso corpo chega a ter 80% de água nos primeiros meses de vida, 60%  em um adulto e apenas 50% em pessoas com mais de 60 anos. Com o passar dos anos nosso corpo perde água e nosso organismo começa a ressecar – a pele enruga, diminui o fluxo sanguíneo e as articulações ficam mais rígidas – aumentando a necessidade do consumo de líquidos. Quando estamos bem hidratados, nossa pele fica mais macia e elástica, os cabelos brilhantes e a saúde em dia.
  • A ingestão de água está ligada a dissolver a maioria das substâncias que ingerimos ou produzimos (eliminar toxinas), transportar substancias orgânicas, (principalmente  o oxigênio), regular a temperatura corporal, lubrificar as articulações, aumentar a saciedade precoce reduzindo o apetite (coadjuvante em dietas de emagrecimento, uma vez que não possui caloria nem gordura).
       
  •  Daí dizer, ser um erro beber água apenas quando se tem sede. Fatores como boca seca, mal estar, diminuição da produção salivar e respiração vigorosa pela boca são sinais de que o corpo evidencia que a reposição deve ser imediata.
       
  • A não hidratação pode ocasionar o enfraquecimento dos cabelos, envelhecimento da pele, distúrbios do sono e da memória, ressecamento dos olhos e vias aéreas propiciando conjuntivites, sinusites e até bronquites. Pele esbranquiçada, garganta seca e urina escura são indícios de baixa hidratação.

Na prática de exercícios por exemplo, o organismo desidratado sofre de um desequilíbriode eletrólitos, que podem provocar cãibras nos músculos. Para prevenir
tal situação, o praticante devera’ assegurar-se que se encontra
perfeitamente hidratado, antes e durante o exercício.
Nunca se deve esperar, a sede, ou vontade de beber, de fato, e’ possível
que o organismo desidrate antes disso.

Quando beber

    Sentir sede é um dispositivo falível que nos impede de ficar severamente desidratados.
    A falta de sede mascarada encobre a necessidade real de ingestão.
    A reposição é necessária em: dietas hiperprotéicas (ricas em proteínas) ou hipersódicas (ricas em sal), prática de atividade física, ambientes quente, frio, seco, ou movidos a ar condicionado (baixa umidade), uso de bronzeamento artificial, demasiada exposição ao sol e doença.
 
Retenção de Água no Organismo

O sódio, é um dos principais compostos que favorece a retenção da água
no organismo. Nos dias mais frios, temos a tendência em ingerir alimentos mais calóricos e consequentemente com mais sódio. Quanto menor for o nível de ingestão de água no organismo, menor será a capacidade de eliminar do corpo a presença excessiva de sódio.
Se um individuo, após ter ingerido uma determinada quantidade de comidas salgadas ou com elevada concentração de sódio, não compensar o organismo com a presença de água, o corpo irá extrair dos intestinos, a água necessária para a dissolução do sódio.

Quanto beber

    A média é de  8  a 11 copos de água por dia.    Vale dizer que a ingestão deverá começar em jejum, incluindo a sua ingestão de meia hora antes das principais refeições ou uma após.
    O aconselhável é que essa ingestão adequada e regular deve ser incrementada principalmente nos intervalos entre as refeições. Para calcular o consumo diário ideal, multiplique o seu peso por 0,03. Por exemplo, um adulto que pesa 70 kg deve consumir por volta de 2,1 litros de líquidos por dia

Como beber

   
    As perdas exatas durante o exercício devem ser monitorizadas pelo peso do corpo (pesar-se antes e depois revertendo a perda em Kg para o equivalente em ml de água) e pela cor da urina  (urina clara- boa hidratação, urina escura- desidratação).
   

Quanto ao uso dos isotônicos, indica-se apenas em eventos que durem mais de 4Hs, particularmente quando as condições ambientais forem quentes e úmidas.
    Em eventos com duração inferior a quatro horas recomenda-se apenas a ingestão de água.

  • Não é só a água que contribui para a hidratação: frutas, legumes, sucos e outras bebidas também hidratam, mas podem fazer diferença na balança. Os líquidos gasosos hidratam 50% menos que os não gasosos e as bebidas alcoólicas desidratam o corpo, por isso, para cada copo de bebida alcoólica, tome dois de água.
%d blogueiros gostam disto: